Artigo

Publicado em 1 de agosto de 2015 | Por:

Tomografia por emissão de pósitrons (PET)

Uma aplicação importante da descoberta do pósitron é a Tomografia por emissão de pósitrons(PET). O primeiro passo para se realizar imagens PET do cérebro, é injetar no paciente uma dose de radiofármaco. Esta é uma substância que pode ser absorvida por certas células no cérebro, concentrando-a ali. Por exemplo FDG (http://goo.gl/tNoCgK) é uma molécula normal de glicose, o combustível básico de energia das células, ligado artificialmente a um átomo de flúor radioativo. Este elemento pode ser produzido por um aparelho chamado ciclotron, que também tem uma unidade para sintetizar a molécula de FDG. As células no cérebro que são mais ativas em determinado período do tempo após a injeção, absorverão mais FDG, porque elas tem um metabolismo mais alto e necessitam mais energia. O átomo de flúor na molécula FDG sofre um decaimento radioativo, emitindo um pósitron. Quando o pósitron colide com o elétron ocorre uma aniquilação anti-matéria, liberando um feixe de energia, em forma de dois raios gama, orientados em direção oposta (180 graus uma da outra).  Isto então será mostrado pelo aparelho PET.



Nenhum Comentário - Deixar um Comentário


Nenhum comentário.

Deixe um comentário

Você deve estar logado para postar um comentário.

Mais artigos

  • É DISSO QUE PRECISAMOS NO BRASIL : UM RUMO E MUITA LUZ !
  • A educação e o exemplo transformando vidas!
  • Reunião com o Dalton Pastore Jr atual Presidente da ESPM
  • Cursos superiores tradicionais podem ser extintos até 2030
  • Investimento na educação pública
  • Alysson Muotri: Telly Award 2018 com o vídeo sobre “mini-cérebros” em laboratório!
  • 8Voyager 2 da NASA entra no espaço interestelar
  • Antoniana Ursine Krettli : A Malária e a importância das mulheres na ciência!
  • A descoberta dos elementos químicos ao longo dos últimos 300 anos!
  • Retrospectiva Facebook 2018 Helio Dias
  • Mais artigos